O MEDO QUE A ELITE TEM DO POVO É MOSTRADO AQUI

A Universidade de Coimbra justificou da seguinte maneira o título de Doutor Honoris Causa ao cidadão Lula da Silva: “a política transporta positividade e com positividade deve ser exercida. Da poesia para o filósofo, do filósofo para o povo. Do povo para o homem do povo: Lula da Silva”

Clique na imagem abaixo e conheça o "Quem tem medo da democracia?" - sucessor deste blog

Clique na imagem abaixo e conheça o "Quem tem medo da democracia?" - sucessor deste blog
Peço que, quem queira continuar acompanhando o meu trabalho, siga o novo blog.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Os nãos de Lula, a mídia-elite e o sim do mundo


Os nãos de Lula, a mídia-elite e o sim do mundo

O editorial do nobre jornal “O Estado de S. Paulo”, vulgo “Estadão”, de ontem, 21 de Setembro de 2010, dá conta de que há uma elite que Lula não suporta. Seria a intelectual, principalmente, a imprensa – os escolhidos por Deus, diria eu.

Por Ana Helena Tavares (*)
Um líder mundial acaba de ser indicado ao Nobel da Paz. Não foram os sins que o levaram a tal nível – foram os nãos.

Os nãos que deu à vida, quando esta tantas vezes parecia querer fadar-lhe ao fracasso. Os nãos que tem dado aos outros, quando estes tentam ganhar no grito. Os nãos que nunca imaginou que precisaria impor a si mesmo, provando que a política é a arte da flexibilidade – e apanhando por isso.

Esse líder não é um negro com duas faculdades. Nem tampouco é branco. Tem a cor – e a dor – da miscigenação de seu país.

Às vezes penso que, quem o observava na sua primeira tentativa de eleição, em 89, imaginava que, quando eleito presidente, Lula transformaria Brasília em Sierra Maestra. Duvido que algum dia tenha tido este objetivo e, nem que tivesse, num contexto social como o nosso, jamais conseguiria governar sem o mercado internacional. O que não significa governar para o mercado, menos ainda por ele. Também aí Lula disse não.

Ao contrário disso, nas últimas décadas do século XX, o Brasil acostumou-se a governos totalmente submissos não só aos interesses do mercado como aos interesses das grandes potências. Durante anos, os “vira-latas”, de que falava o grande dramaturgo Nelson Rodrigues, não passaram de gatinhos assustados aceitando migalhas de Washington. Era o Brasil dizendo sim ao mundo, enquanto o mundo dizia não ao Brasil.

Em 1994, nos meses em que se deu a implantação do plano real, o Brasil contou com o jurista e diplomata Rubens Ricupero, como ministro da Fazenda. Flagrado em uma conversa secreta com o jornalista Carlos Monforte, atualmente na Globonews, Ricupero declarou: “Eu não tenho escrúpulos: o que é bom a gente fatura, o que é ruim a gente esconde.” 16 anos depois, a atuação da grande imprensa brasileira inverte a máxima: com o ruim se fatura e é preciso dizer não às coisas boas. Bizarro gosto pela tragédia.

O editorial do nobre jornal “O Estado de S. Paulo”, vulgo “Estadão”, de ontem, 21 de Setembro de 2010, dá conta de que há uma elite que Lula não suporta. Seria a intelectual, principalmente, a imprensa – os escolhidos por Deus, diria eu. Segundo o jornal, “com todas as outras Lula já se acertou”.

Primeiro, a família Mesquita caiu aí em grave erro. Autodenominou-se elite e esqueceu-se de consultar os intelectuais e a imprensa que habitam fora de seu ambiente poluído. Tomaram as dores de um jeito, vestiram a carapuça de tal modo, que fica parecendo que só eles são os intelectuais. Só eles são a imprensa. Menos mal que não são.

Segundo, eu pergunto: Que moral têm aqueles que hoje recriminam Lula por suas alianças com Collor e Sarney (das quais também não acho graça, mas todos sabemos que fazem parte do jogo político) e ontem teciam loas públicas aos coronéis? E hoje estendem tapetes vermelhos para outros coronéis, pois estes já não mais interessam?

Que moral tem a imprensa para criticar Lula por ele manter relações diplomáticas com Ahmadinejad, que merece críticas, se esta mesma imprensa não o recrimina por manter relações semelhantes com o Estado de Israel, que há vários anos promove uma limpeza étnica entre os Palestinos?

O fato é: um país que se quer em destaque na cena mundial precisa e deve dialogar com todos. Dialogar é uma coisa, dizer sim é outra bem diferente.

Lula é pessoa que não vive sem o diálogo. Foi o diálogo – sem submissão – o que fez dele um líder admirado pelo banqueiro do ar condicionado e pelo trabalhador de sol e suor. O mesmo trabalhador para quem hoje a vida diz muito mais sins do que antes.

Admirado por Bush, Clinton, Obama e All Gore; por líderes de todos os países, o que inclui de Shimon Peres a Mahmoud Abbas. Qual outro presidente brasileiro pode se vangloriar de tal fã-clube?

Definitivamente, foi a arte do diálogo que fez com que hoje o mundo diga sim ao Brasil.

*Ana Helena Tavares é jornalista por paixão, escritora e poeta eternamente aprendiz. Editora-chefe do blog "Quem tem medo do Lula?"

3 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns pelo artigo. Hj quem diz NÃO p eles somos nós, os que sempre receberam NÃO deles.
Zanuja

Luiz Claudio Cunha Souza disse...

Este artigo é tão bem escrito que até ameniza um pouco a minha indignação ao verificar o papel da imprensa no Caso Ricúpero e o papel desempenhado agora por esta mesma imprensa.E foi muito bem lembrado este caso, que acho, não haja outro igual no sentido de se mostrar a verdade ao leitor, sobre o quanto ele é manipulado. E quanto ao sucesso do Lula enquanto Presidente, os vários fatos descritos também não deixam dúvida quanto a razão deste sucesso. E só escrevendo com paixão para se fazer um artigo assim, bom de ler e com informações de qualidade.

Ivana disse...

Resumindo: 13 - MARAVILHOSO ARTIGO! PARABÉNS!

Postar um comentário

Este blog não está subordinado a nenhum partido. Lula, como todo ser humano, não é infalível. Quem gosta dele (assim como de qualquer pessoa), tem o dever de elogiá-lo sem nunca deixar de criticá-lo. ---------------------------------------------------------------------------------------------------- Todas as opiniões expressas aqui, em conteúdo assinado por mim ou pelos colaboradores, são de inteira responsabilidade de cada um. ----------------------------------------------------------------
Comentários são extremamente bem-vindos, inclusive e principalmente, as críticas construtivas (devidamente assinadas): as de quem sabe que é possível e bem mais eficaz criticar sem baixo calão. ----------------------------------------------------------------------------------------------
Na parte "comentar como", se você não é registrado no google nem em outro sistema, clique na opção "Nome/URL" e digite seu nome (em URL, você pode digitar seu site, se o tiver, para que clicando em seu nome as pessoas sejam direcionadas para lá, mas não é obrigatório, você pode deixar a parte URL em branco e apenas digitar seu nome).-----------------------------------------
PROCURO NÃO CENSURAR NADA, MAS, POR FAVOR, PROCUREM NÃO DEIXAR COMENTÁRIOS ANÔNIMOS. NÃO PODEMOS NOS RESPONSABILIZAR PELO QUE É DITO NESSES COMENTÁRIOS.

Att,
Ana Helena Tavares - editora-chefe

Creative Commons License
Cite a fonte. Todo o nosso conteúdo próprio está sob a Licença Creative Commons.

Arquivo do blog

Contato

Sugestões podem ser enviadas para: quemtemmedodolula@hotmail.com
diHITT - Notícias Paperblog :Os melhores artigos dos blogs