O MEDO QUE A ELITE TEM DO POVO É MOSTRADO AQUI

A Universidade de Coimbra justificou da seguinte maneira o título de Doutor Honoris Causa ao cidadão Lula da Silva: “a política transporta positividade e com positividade deve ser exercida. Da poesia para o filósofo, do filósofo para o povo. Do povo para o homem do povo: Lula da Silva”

Clique na imagem abaixo e conheça o "Quem tem medo da democracia?" - sucessor deste blog

Clique na imagem abaixo e conheça o "Quem tem medo da democracia?" - sucessor deste blog
Peço que, quem queira continuar acompanhando o meu trabalho, siga o novo blog.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Por Que V Excelências Morrem de Medo?




Por Que V Excelências Morrem de Medo?
Carlos A. Lungarzo
Anistia Internacional

O Senado Brasileiro está composto de vários tipos de parlamentar. Alguns, entre os quais quero citar o lendário Eduardo Suplicy, os defensores populares José Nery e Inácio Arruda, e vários outros com os quais não possuo muito contato, mas que admiro muito, que certamente orgulhariam a câmara alta de qualquer Parlamento do mundo. Outras pessoas se mantêm no nível necessário para defender suas idéias e propósitos, e mais alguns outros (não saberia atualmente estimar quantos são) representam a clássica função histórica do Senado nos países imperiais ou descendentes de impérios: o órgão de expressão das mais altas e poderosas elites, que precisam possuir os controles da vida parlamentar para manter o aparelhamento do estado.
Em alguns países de tradição mais complexa, como G. Bretanha, o senado reúne figuras muito diversas, mesmo nas bancadas mais conservadoras. Entretanto, nas Américas, por diversas razões relacionadas com o caráter colonial de nossas elites, aqueles altos representantes das classes dominantes se caracterizam por certo transtornos de personalidade que vão além da simples necessidade de defender seus privilégios. Com efeito, nada impede que um parlamentar da ultra-direita se empenhe em todos os lobbies necessários para o sucesso dos interesses corporativos que representa, sem que isso implique uma notória tendência à violência verbal, o racismo, a discriminação, a xenofobia, a intolerância e, por momentos, a quadros de séria patologia.  Acaso as reuniões da Máfia não aparecem no cinema como sendo muito educadas e atenciosas?
Entretanto, como fazem notar alguns sociólogos europeus, em alguns países desenvolvidos (esclareço que a Itália está excluída desta consideração) é possível ser ultra-conservador e ter boas maneiras. Já nos países onde as elites se desenvolveram com base na brutalidade, seus representantes não podem evitar vomitar todo seu ódio por qualquer motivo.

Eu entendo as descargas de violência contra Eduardo Suplicy no Senado. Não foi só por ler, em forma exemplar e corajosa, a carta de Cesare Battisti, mas também por ser uma personalidade superior, que ofusca aquelas figuras medíocres que se arrastam num mar de baba e sangue. (Baba própria, sangue dos outros). Suplicy é senador há 20 anos, é um dos poucos que é conhecido em todos os meios diplomáticos do exterior, é um economista cujo trabalho realmente fundacional só não se aprecia como merece em seu próprio país, um ex-desportista, uma figura livre e sem condicionamentos nem temores. É um grande amigo da vida que não se envergonha em compartilhar os prazeres e diversões do povo ao qual serve, a despeito dos gritos histéricos e hipócritas de carolas e puritanos que se rasgam as vestes quando observam (não sem inveja) o original senador se relacionando com pessoas do mundo “light”, aquele mundo onde as pessoas preferem o prazer ao comportamento engomado e cínico.
É natural que alguns colegas sintam desconforto por ter que compartilhar com uma pessoa brilhante humana e intelectualmente, a escassa inteligência e cacife moral que a natureza, sempre muito discriminadora, lhes concedeu por acaso e de má vontade.
Para variar, mais uma vez Suplicy foi insultado pelo patético personagem que se tornou célebre por ter afirmado que a escravidão foi culpa dos escravos, embora haja muitas outras razões para encontrar sua figura lamentável.
Já outro colega, este da direita “moderna”, em vez de procurar o confronto obsceno, prefere destilar a intriga, e o bajula, expressando como admira o interesse de Suplicy pelos direitos humanos. Todavia, lamenta (coitado!) que use esse interesse para defender um perigoso terrorista, chefe da fração que assolou Itália, Madri, Londres, Nova Iorque, Iraque, Colômbia e agora o Brasil, deixando a seu passo milhares de vítimas.
Milhares, sim, porque as vítimas que a máfia fascista italiana mobiliza para todos os lados, devem ser muitas: elas estão em todos os poros da terra: rádios, TVs, jornais, até no Parlamento Europeu, e seguramente serão levadas à Haia.
Mas, não haveria uma solução melhor que qualquer uma destas: distribuir injúrias ou injetar veneno??
Eu pergunto:
Por que não chamam Battisti a depor no Senado? Se eles acham que estão certos e Battisti está errado, por que não o desmentem na frente de todos?
Não será por problemas de linguagem: Battisti fala italiano, francês e espanhol perfeitos, e, embora com algo de sotaque, também um português bastante mais refinado que o dos jagunços que correm com cordas e tochas em sua procura.
Será que estes linchadores têm medo de olhar olho no olho uma pessoa corajosa?
Pode ser. Mas não os critico. Quem vive do lobby, da bajulação, do coronelismo, não pode sentir-se à vontade na frente de uma pessoa valente. É uma pena para todo nosso continente. Coitado do país que precisa de covardes e linchadores para impor a lei!!!

Um comentário:

jardel disse...

Companero Carlos Lungaro,
brilhante sua posição. Realmente quem conhece o Suplicy sabe que pertence a uma estatura superior de hoemens e ulheres que fazem história com brilhantismo. Aliás, em uma das disputas internas do PT, foi o único militante que se insurgiu contra o consenso da indicação do Lula para candidato a presidente. Corajosa a posição naquele momento. E esta questão do Battisti, realmente é escandaloso a forma como o PIG tem tratado este assunto. Assinei o abaixo assinado pela manutenção do mesmo entre nós. De forma alguma podemos concordar com a entrega do mesmo aos lobos italianos.
Jardel Lopes
Coronel Fabriciano/Minas Gerais

Postar um comentário

Este blog não está subordinado a nenhum partido. Lula, como todo ser humano, não é infalível. Quem gosta dele (assim como de qualquer pessoa), tem o dever de elogiá-lo sem nunca deixar de criticá-lo. ---------------------------------------------------------------------------------------------------- Todas as opiniões expressas aqui, em conteúdo assinado por mim ou pelos colaboradores, são de inteira responsabilidade de cada um. ----------------------------------------------------------------
Comentários são extremamente bem-vindos, inclusive e principalmente, as críticas construtivas (devidamente assinadas): as de quem sabe que é possível e bem mais eficaz criticar sem baixo calão. ----------------------------------------------------------------------------------------------
Na parte "comentar como", se você não é registrado no google nem em outro sistema, clique na opção "Nome/URL" e digite seu nome (em URL, você pode digitar seu site, se o tiver, para que clicando em seu nome as pessoas sejam direcionadas para lá, mas não é obrigatório, você pode deixar a parte URL em branco e apenas digitar seu nome).-----------------------------------------
PROCURO NÃO CENSURAR NADA, MAS, POR FAVOR, PROCUREM NÃO DEIXAR COMENTÁRIOS ANÔNIMOS. NÃO PODEMOS NOS RESPONSABILIZAR PELO QUE É DITO NESSES COMENTÁRIOS.

Att,
Ana Helena Tavares - editora-chefe

Creative Commons License
Cite a fonte. Todo o nosso conteúdo próprio está sob a Licença Creative Commons.

Arquivo do blog

Contato

Sugestões podem ser enviadas para: quemtemmedodolula@hotmail.com
diHITT - Notícias Paperblog :Os melhores artigos dos blogs