O MEDO QUE A ELITE TEM DO POVO É MOSTRADO AQUI

A Universidade de Coimbra justificou da seguinte maneira o título de Doutor Honoris Causa ao cidadão Lula da Silva: “a política transporta positividade e com positividade deve ser exercida. Da poesia para o filósofo, do filósofo para o povo. Do povo para o homem do povo: Lula da Silva”

Clique na imagem abaixo e conheça o "Quem tem medo da democracia?" - sucessor deste blog

Clique na imagem abaixo e conheça o "Quem tem medo da democracia?" - sucessor deste blog
Peço que, quem queira continuar acompanhando o meu trabalho, siga o novo blog.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Exército boliviano se recicla


 Exército boliviano se recicla
 Enquanto Folha e O Globo se preocupam com a ficha de Dilma, Exército boliviano se declara socialista e em favor da luta pela soberania e pela dignidade nacional.

Por Mario Augusto Jakobskind (*)


 
Enquanto o jornal da “ditabranda”, a Folha de S.Paulo, foi procurar nos arquivos da ditadura a ficha da Presidenta eleita Dilma Rousseff e O Globo divulgava o dossiê da ditadura, um fato dos mais relevantes na América Latina acontecia em um país vizinho do Brasil.  

O Exército boliviano, que durante anos protagonizou golpes sangrentos e alguns, como o de Hugo Banzer, nos anos 70, com o apoio da ditadura brasileira, neste ano de 2010 fez a sua opção.

Em comunicado firmado pelo general Antonio Cueto, comandante da corporação, feito por ocasião das comemorações dos 200 anos de sua criação, o Exército se declarou socialista, antiimperialista e anticapitalista. O militar assinalou que a Constituição do país promulgada em 2009 “dá lugar a que o Exército surja como uma instituição socialista, comunitária’’”. E acrescentou: “nos declaramos antiimperialistas, porque na Bolívia não deve existir nenhum poder externo que se imponha, queremos e devemos atuar com soberania e viver com dignidade”. Também nos declaramos anticapitalistas porque este sistema está destruindo a mãe terra``

Quer dizer, os militares bolivianos se reciclaram para um novo tempo que vive o país sob o comando do Presidente Evo Morales. As ditaduras ficaram para trás e os protagonistas responsáveis por torturas e assassinatos de representantes do povo ocupam hoje o lixo da história, o mesmo acontecendo em outros países da América Latina.  

Mas a Folha de S. Paulo e O Globo não estão nem aí. O jornal paulista empenhou ao máximo sua assessoria jurídica para conseguir o dossiê de Dilma daquele período de trevas. A jovem Dilma deu a sua contribuição na luta do povo brasileiro contra a ditadura, o que intriga a Folha de S., Paulo, que naquele mesmo período emprestava carros para a repressão. E O Globo engordava na estufa da ditadura, como diria Leonel Brizola.

O Supremo Tribunal Militar cedeu os arquivos e o jornal da família Frias se posicionou através da advogada Tais Gasparian afirmando que o fato “foi uma vitória da sociedade, mais que uma vitória da Folha de S.Paulo".

Não é por aí. A sociedade brasileira tem consciência de que arquivos do gênero conseguidos pela Folha não têm o menor valor. O que se quer saber, isto sim, é, por exemplo, quais grupos empresariais financiaram a repressão e confirmar a participação da Folha de S. Paulo naquele período de trevas. O que se quer é a divulgação de arquivos que podem ajudar a esclarecer muitos fatos daquele período, não dossiês formulados com base em torturas de presos políticos. Mas a isso o Estado brasileiro resiste.

O ano está chegando ao fim, o Brasil e a América Latina estão procurando avançar e compensar o tempo perdido por governos neoliberais e ditaduras. Há setores que a cada eleição perdem terreno, inconformados com os novos tempos. Um exemplo disso, que já pertence ao passado, foi o comportamento do candidato derrotado na última eleição presidencial. José Serra, que antes de 64 chegou a presidir a União Nacional dos Estudantes (UNE), eleito por indicação da Ação Popular com o apoio do Partido Comunista Brasileiro (PCB), deu uma guinada de 180 graus em seu currículo e se alinhou com os setores mais a direita do espectro político brasileiro. Até os integralistas tentaram sair do lixo da história  manifestando apoio ao candidato tucano.

Não foi à toa, portanto, que Serra em várias oportunidades criticou duramente o governo boliviano querendo até vinculá-lo à concessão de facilidades ao narcotráfico. Utilizou argumentos infundados, mas que no fundo ajudaram os eleitores a conhecer melhor o perfil do candidato.

Mas todo cuidado é pouco, porque os setores que não se conformam com os novos tempos podem tentar de tudo para evitar que no Brasil e na América Latina haja avanços significativos que resultem em distribuição de renda, no fortalecimento do mercado interno e perda de privilégios dos setores que sempre detiveram riquezas em detrimento da maioria do povo.

Nesse contexto, o colunista Nicholas Kristof do The New York Times considerou a Venezuela uma “república bananeira”, o que valeu uma resposta imediata do embaixador da República Bolivariana nos Estados Unidos.

Para o diplomata Bernardo Alvarez o termo “’república bananeira” não é só degradante, mas tem claras vinculações com o imperialismo e não se pode aplicar à realidade venezuelana. “O termo refere-se a países pequenos, amplamente dependentes de produtos agrícolas, dominados por pequenas e incontáveis elites, servis aos interesses empresariais estadunidenses”, argumentou o embaixador. Não é o caso da Venezuela, que é conhecida mais pelo seu petróleo do que por seus produtos agrícolas e preserva a sua soberania.  

Álvarez referiu-se também a questão da desigualdade social nos Estados Unidos, que se ampliou nos últimos tempos e comparou o que acontece por lá com o que foi feito na Venezuela em dez anos com os programas sociais. A Venezuela ganha de goleada.

Como o jornal The New York Times é utilizado muitas vezes como fonte pelos colunistas de sempre, é importante o leitor destas bandas ter a informação sobre a polêmica, até para ter mais elementos para fazer o julgamento.

Em suma: vamos aguardar o desenrolar dos acontecimentos para ver o que nos espera nos próximos anos sob a batuta da primeira mulher eleita Presidenta deste país continente contemplado com um bilhete premiado com as riquezas do pré-sal,  avaliadas  em 10 trilhões de dólares, e não bilhões como foi informado aqui na semana anterior.

 

*Mário Augusto Jakobskind é jornalista, mora no Rio de Janeiro e é correspondente no Brasil do semanário uruguaio Brecha. Foi colaborador do Pasquim, repórter da Folha de S. Paulo e editor de Internacional da Tribuna da Imprensa. Integra o Conselho Editorial do semanário Brasil de Fato. É autor, dentre outros livros, de “América que não está na mídia” e “Dossiê Tim Lopes – Fantástico / Ibope”. É colunista do site “Direto da Redação” e colaborador do blog “Quem tem medo do Lula?”.

=> Artigo publicado originalmente no site "Direto da Redação".

Um comentário:

Luiz Claudio Cunha Souza disse...

Grande jornalista Mário Augusto Jakobskind, eu quero saber é quando teremos um artigo como esse seu, veiculado em mídias com qualidade e alcance de uma globo por exemplo que é responsável pela informação de quase a totalidade de nosso povo. A Internet só alcança 20% e destes só alguns poucos estão interessados em alguma mudança. Sem essa democratização nos meios de comunicação continuaremos correndo o risco não só de perder a próxima eleição se a crise lá fora se agravar, como inclusive de sermos torturados num próximo golpe.

Postar um comentário

Este blog não está subordinado a nenhum partido. Lula, como todo ser humano, não é infalível. Quem gosta dele (assim como de qualquer pessoa), tem o dever de elogiá-lo sem nunca deixar de criticá-lo. ---------------------------------------------------------------------------------------------------- Todas as opiniões expressas aqui, em conteúdo assinado por mim ou pelos colaboradores, são de inteira responsabilidade de cada um. ----------------------------------------------------------------
Comentários são extremamente bem-vindos, inclusive e principalmente, as críticas construtivas (devidamente assinadas): as de quem sabe que é possível e bem mais eficaz criticar sem baixo calão. ----------------------------------------------------------------------------------------------
Na parte "comentar como", se você não é registrado no google nem em outro sistema, clique na opção "Nome/URL" e digite seu nome (em URL, você pode digitar seu site, se o tiver, para que clicando em seu nome as pessoas sejam direcionadas para lá, mas não é obrigatório, você pode deixar a parte URL em branco e apenas digitar seu nome).-----------------------------------------
PROCURO NÃO CENSURAR NADA, MAS, POR FAVOR, PROCUREM NÃO DEIXAR COMENTÁRIOS ANÔNIMOS. NÃO PODEMOS NOS RESPONSABILIZAR PELO QUE É DITO NESSES COMENTÁRIOS.

Att,
Ana Helena Tavares - editora-chefe

Creative Commons License
Cite a fonte. Todo o nosso conteúdo próprio está sob a Licença Creative Commons.

Arquivo do blog

Contato

Sugestões podem ser enviadas para: quemtemmedodolula@hotmail.com
diHITT - Notícias Paperblog :Os melhores artigos dos blogs