O MEDO QUE A ELITE TEM DO POVO É MOSTRADO AQUI

A Universidade de Coimbra justificou da seguinte maneira o título de Doutor Honoris Causa ao cidadão Lula da Silva: “a política transporta positividade e com positividade deve ser exercida. Da poesia para o filósofo, do filósofo para o povo. Do povo para o homem do povo: Lula da Silva”

Clique na imagem abaixo e conheça o "Quem tem medo da democracia?" - sucessor deste blog

Clique na imagem abaixo e conheça o "Quem tem medo da democracia?" - sucessor deste blog
Peço que, quem queira continuar acompanhando o meu trabalho, siga o novo blog.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Sobre Casoy e os "xerifes da nação"

Para o caso de também haver interesse em me processar, lembro que o texto que está levando Boris Casoy a processar Celso Lungaretti foi publicado, na época, por este humilde blog: clique aqui para ler. Como forma de reiterar mais ainda o meu total apoio ao companheiro Celso, republico hoje aqui o texto que eu escrevi na ocasião em repúdio a Casoy. O meu é, sem dúvida, bem mais leve que o do Celso. Quando termino ironizando dizendo que "Há coisas que não se publica onde crianças possam ler", refiro-me justamente ao jornalismo estilo PIG: sensacionalista, mentiroso e, muitas vezes, de baixíssimo calão (a Folha de S. Paulo que o diga no episódio do "menino do MEP", leitura definitivamente não recomendada para as crianças). Nesse sentido, aproveito para dizer que também assino embaixo no texto do Celso. Crianças podem lê-lo sem problema algum: é todo baseado em fatos e em nenhum momento cai em insultos baratos, como muitos outros sobre o mesmo assunto espalhados pela rede. Mas que, nem por isso, mereceram processo. Talvez porque os fatos são o que realmente ameaça. Segue abaixo o meu  texto e FORÇA CELSO, VOCÊ É MUITO MAIOR DO QUE ELE!


Diante das câmeras, a maioria dos apresentadores de telejornal vira um produto que precisa vender uma imagem de paladino da moral e dos bons costumes. Muitos confundem estúdio com delegacia e fazem uma cara de “xerifes da nação”. Tudo é uma vergonha menos eles.

Por Ana Helena Tavares, em 12/01/2010  para o Observatório da Imprensa

Afinal de contas quem é Boris Casoy? Não costumo ver a Band, praticamente não consigo mais ver televisão, mas é espantoso ver como um pequeno erro de áudio desmascara um jornalista. A ética não está em agirmos como pensamos somente quando estamos diante de um grande público. Ao contrário, ela está principalmente em agirmos como pensamos quando estamos sozinhos.

Diante das câmeras, a maioria dos apresentadores de telejornal vira um produto que precisa vender uma imagem de paladino da moral e dos bons costumes. Muitos confundem estúdio com delegacia e fazem uma cara de “xerifes da nação”. Tudo é uma vergonha menos eles. Resta saber o que é uma vergonha num mundo de tantas.

Nada justifica a falta de vergonha na cara. Mas que cara? Se é verdade que, em nome de linhas editoriais e até mesmo de padrões estéticos e comportamentais (de parcela da sociedade que dá IBOPE aos “xerifes”, pois sente-se amparada por eles), diante das câmeras, nenhum jornalista pode agir como pensa, parece-me translúcido o fato de que a declaração de Casoy sobre os garis demonstra o que ele verdadeiramente é. Dito isso, parece-me que ela é totalmente passível de processo por crime de intolerância de classes.

Boris Casoy falou quando pensava estar “às escondidas”, mas, em nome do pior dos tipos de corporativismo, há quem o defenda publicamente. Com os argumentos que eles têm apresentado, eu se fizesse parte da direção da Band começaria a ficar verdadeiramente preocupada com a dimensão do caso. Demitiria todos. A Band, porém, provavelmente os manterá lá, pois pensa igual a eles. E, nós brasileiros que pensamos diferente, temos nas mãos o controle remoto e uma chance única de repararmos, ao menos um pouco, o erro que é colocar uma classe fundamental como a dos garis à margem da sociedade.

Um dos artigos do abandonado Código de ética dos Jornalistas diz que “O jornalista não pode usar o jornalismo para incitar a violência, a intolerância, o arbítrio e o crime.” Não é o que pensa Barbara Gancia que assinou hoje (08/01/2010) artigo na Folha de S. Paulo (local ideal para tal espetáculo) tentando defender o colega de emissora. No entanto, enganou-se absurdamente ao tentar confirmar as palavras de Casoy, de que os lixeiros são “o mais baixo na escala de trabalho”. Quem lê o artigo conclui que, para ela, isso se confirma porque, por exemplo, não há médicos entre eles.

Eu gostaria muito de entender o que é uma “escala do trabalho” para a tão afinada dupla de jornalistas. Partindo do artigo dela, em que, sem conseguir explicar onde está a piada, ela garante que “dois lixeiros desejando dinheiro para o novo ano é mesmo motivo de riso” (coisa que ela certamente não ousaria falar se eles ganhassem o que de fato o suor deles vale), então, conclui-se que estão no topo os que ganham mais. Ora, vejamos... Ronaldo “Fenômeno” está então no topo da escala do trabalho? Pensemos com cuidado de quem o mundo depende mais: dos jogadores de futebol ou dos lixeiros?

Ah, mas esperem, talvez “estar no topo da escala do trabalho” seja ter um diploma de médico. Ainda que fosse, como jornalista bem-informada, ela deveria estar ciente da quantidade de lixeiros com curso superior. Não possuo números, mas dou minha cara a tapa como existem médicos. Seria bonito, inclusive, se ao “lembrar” que “não há médicos entre os garis”, Barbara lembrasse também que o próprio Casoy não tem diploma de curso superior algum. Com a experiência adquirida que ele tem, isso não desqualifica nem a ele nem aos garis. O que desqualifica é o preconceito e nisso Barbara se superou, posto que tentou dar à declaração dele uma inacreditável sustentação.

Fico imaginando a felicidade, a sinceridade – e, mais do que isso, a provável ingenuidade – com que aqueles dois lixeiros fizeram aqueles votos de boas festas e não tenho como deixar de imaginar a decepção deles. Fico imaginando o que muitos âncoras televisivos devem ter comentado por detrás das câmeras sobre os recentes encontros de Lula com catadores de lixo e não tenho como deixar de imaginar que, perto do que ocorre diariamente nos bastidores da grande imprensa, o que Boris disse foi apenas uma gota num mar de lama.

Mas é melhor que eu fique só imaginando... Há coisas que não se publica onde crianças possam ler.

Ana Helena Tavares é escritora e poeta eternamente aprendiz. Jornalista por paixão e futura jornalista com diploma, editora-chefe do blog "Quem tem medo do Lula?".

Um comentário:

Celso Lungaretti disse...

Minha cara Ana,

mesmo em episódios deprimentes como este, o saldo nunca é totalmente negativo: reconforta-nos constatar mais uma vez a coragem e a o espírito solidário dos melhores seres humanos, que não fogem de suas responsabilidades.

Muitos se omitem -- e, como bem destacou o Lungarzo, não percebem que, deixando as injustiças se avolumarem, acabarão sendo também atingidos -- e aí vão estar sozinhos.

A liberdade nunca é definitiva: temos de conquistá-la a cada dia, em cada momento. Escaladas autoritárias começam sempre de forma tímida, mas ai de quem deixa de esmagar o ovo da serpente enquanto é tempo!

Um forte abraço, companheira!

Postar um comentário

Este blog não está subordinado a nenhum partido. Lula, como todo ser humano, não é infalível. Quem gosta dele (assim como de qualquer pessoa), tem o dever de elogiá-lo sem nunca deixar de criticá-lo. ---------------------------------------------------------------------------------------------------- Todas as opiniões expressas aqui, em conteúdo assinado por mim ou pelos colaboradores, são de inteira responsabilidade de cada um. ----------------------------------------------------------------
Comentários são extremamente bem-vindos, inclusive e principalmente, as críticas construtivas (devidamente assinadas): as de quem sabe que é possível e bem mais eficaz criticar sem baixo calão. ----------------------------------------------------------------------------------------------
Na parte "comentar como", se você não é registrado no google nem em outro sistema, clique na opção "Nome/URL" e digite seu nome (em URL, você pode digitar seu site, se o tiver, para que clicando em seu nome as pessoas sejam direcionadas para lá, mas não é obrigatório, você pode deixar a parte URL em branco e apenas digitar seu nome).-----------------------------------------
PROCURO NÃO CENSURAR NADA, MAS, POR FAVOR, PROCUREM NÃO DEIXAR COMENTÁRIOS ANÔNIMOS. NÃO PODEMOS NOS RESPONSABILIZAR PELO QUE É DITO NESSES COMENTÁRIOS.

Att,
Ana Helena Tavares - editora-chefe

Creative Commons License
Cite a fonte. Todo o nosso conteúdo próprio está sob a Licença Creative Commons.

Arquivo do blog

Contato

Sugestões podem ser enviadas para: quemtemmedodolula@hotmail.com
diHITT - Notícias Paperblog :Os melhores artigos dos blogs