O MEDO QUE A ELITE TEM DO POVO É MOSTRADO AQUI

A Universidade de Coimbra justificou da seguinte maneira o título de Doutor Honoris Causa ao cidadão Lula da Silva: “a política transporta positividade e com positividade deve ser exercida. Da poesia para o filósofo, do filósofo para o povo. Do povo para o homem do povo: Lula da Silva”

Clique na imagem abaixo e conheça o "Quem tem medo da democracia?" - sucessor deste blog

Clique na imagem abaixo e conheça o "Quem tem medo da democracia?" - sucessor deste blog
Peço que, quem queira continuar acompanhando o meu trabalho, siga o novo blog.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Carrefour é denunciado por abuso contra os Direitos Humanos em seis países


Carrefour: Denúncias Internacionais

Por Carlos Alberto Lungarzo (*)

A denúncia do Carrefour contra Claudinéia Freitas Santos, uma mulher desempregada, mãe de 10 filhos, por tentar furtar artigos de primeira necessidade contra o frio, e condenada a pagar uma fiança de 300 Reais, não é o único ato de barbárie social da grande rede. Neste artigo, vou mencionar os principais conflitos recentes da organização em diversas partes do mundo (incluindo o Brasil), onde aparecem fatos como repressão violenta dos trabalhadores, condições desumanas de funcionamento, uso de trabalho semiescravo, e assim em diante. Vou descrever apenas alguns casos, que o leitor pode conferir com detalhe na Internet através dos links citados. Muitos outros casos aparecem citados nos próprios documentos da Internet.

É interessante salientar que a repressão aos trabalhadores do Carrefour do Osasco transcendeu todo o mundo ocidental, e foi citada várias vezes pelos sindicalistas europeus como amostra da brutalidade de sua sede brasileira.

Todos os que desejem estender as denúncias sobre o caso de Claudinéia à matriz do Carrefour, na Franca, podem usar o seguinte e-mail:

webmastergroupe@carrefour.com

Já várias pessoas têm feito isto, mas ainda não sabemos as reações. Estarei passando brevemente, em outras mensagens, os endereços de grupos humanitários franceses que defendem pessoas exploradas ou perseguidas, trabalho escravo e vítimas da faxina social.

Aproveito às pessoas que nos estão ajudando desde o exterior, especialmente desde a França e a Bélgica.

O Caso do Brasil (Osasco)
No dia 30 de agosto de 2007, a Confederação Nacional de Trabalhadores de Comércio e Serviços (CONTRACS), convocou junto a outros sindicatos uma manifestação totalmente pacífica na frente do Carrefour em Osasco, periferia de São Paulo.
Os demonstradores foram atacados violentamente pela polícia e, além disso, alguns líderes da união foram detidos. Mesmo que as empresas às vezes negam cumplicidade na brutalidade policial, é bem conhecido que em países subdesenvolvidos, ultradesigualitários e totalmente governados pelas empresas, estas orientam a repressão e, em muitos casos, remuneram em negro os policiais para que a represálias contra os trabalhadores seja homérica e, portanto, “lembrada” no futuro.
Lucilene Binsfield, presidente de CONTRACS, que relatou a truculência da polícia ao mando do Carrefour em Osasco, contou como aconteceram os fatos.
- Concentramo-nos na frente do Carrefour junto a três portas internas, carregando nossas bandeiras, pedindo que a gerência retomasse a negociação com o sindicato. Em determinado momento nós juntamos numa única porta interna da entrada dos clientes.

Em seguida, a gerência chamou as polícias militares, que chegaram atacando brutalmente os manifestantes.

Atacaram os trabalhadores com pulverizador de pimenta, ameaçando com bastões, e espancando vários companheiros. A repressão foi intencionada, já que tínhamos anunciado que logo em seguiria nos retiraríamos. Faltavam quatro minutos para irmos embora, quando a policia atacou brutalmente o companheiro Matos de Alci, da secretária de relações internacionais de CONTRACS, o prenderam violentamente, o espancaram e o algemaram.

- Qual é a situação atual do companheiro Alci?

- Foi levado ao presídio acusando-o falsamente de resistir. Foi a polícia que chegou atacando. Ele permanece em estado de choque pela violência sofrida.

Veja mais detalhes e fotografias em:

http://www.rel-uita.org/campanias/carrefour-2007/con_lucilene.htm

Caso Brasil (Bahia)
Cansados das péssimas condições de trabalho, os funcionários do Atacadão/Carrefour Rótula, de Salvador (BA) entraram em greve no dia 05 de julho de 2007, permanecendo paralisados por 3 horas.

Os trabalhadores denunciam as precárias condições de trabalho na empresa. Os problemas começam com a qualidade da água fornecida pela empresa, se estendem às cadeiras quebradas, e a jornada excessiva e plano de saúde precário.

“A situação ficou intolerável para os trabalhadores”, ressalta José Evangelista Rios, diretor do Sindicato dos Empregados no Comércio de Salvador e dirigente da CONTRACS/CUT. “É impossível trabalhar desse jeito! As condições de trabalho se tornaram precárias demais: cadeiras quebradas, água de qualidade duvidosa, plano de saúde precário, são muitas as mazelas da empresa”, explica Rios.

Os trabalhadores denunciam ainda um fato grave como as jornadas de trabalho que vão das 7 horas da manhã até às 24 horas (Meia-noite). Ou seja, é uma jornada de 17 horas, MAIOR DA QUE SE PRATICAVA EM 1850 NA EUROPA QUE DETERMINOU A INDIGNAÇÃO DE TODOS OS MOVIMENTOS CIVILIZADOS DA ÉPOCA..

Lucilene Binsfeld, presidente da CONTRACS/CUT, comenta que a confederação recebe e acompanha denúncias de trabalhadores e consumidores contra o Carrefour. “O Tribunal Superior do Trabalho já condenou o Carrefour por discriminação e humilhação de trabalhadores e até proposta enganosa de salário. Além das constantes denúncias de consumidores divulgadas pela mídia”, acrescenta Lucilene.

“Temos denúncias que vão desde poluição ambiental , até funcionamento de lojas com número insuficiente de trabalhadores, o que está gerando constante conflito e até ofensas e xingamentos de clientes contra os trabalhadores”, relata Alci Matos, secretário de Relações Internacionais da CONTRACS/CUT.

A indignação e os protestos dos trabalhadores na Bahia tem todo o apoio do Sindicato de Comerciários de Salvador - filiado à CONTRACS/CUT.

Veja detalhes nestes dois links:

www.cut.org.br/content/view/5148/170/

www.rel-uita.org/sindicatos/contracs-2.htm

O Caso da China
Denúncia de Dezembro 2009
Carrefour enfrenta uma ação judicial em Pequim pela exploração de vendedoras de seus fornecedores, às quais o Carrefour utiliza como trabalhadoras gratuitas. Ou seja, quando elas chegam para vender os produtos de seus fornecedores, o Carrefour as obriga a trabalhar um tempo para eles.
Sheng Yucang, vendedora de 34 anos de idade da província de Shandong, protocolou processo contra Carrefour no tribunal popular de Fengtai, pedindo compensação por segurança social e horas extras que não foram pagas.
Sheng foi contratada no início de 2008 para promover produtos químicos em uma ramificação do Carrefour no distrito de Fengtai, mas realmente gastou uma grande quantidade de seu tempo carregando mercadorias e fazendo limpeza para o Carrefour.
Foi demitida Abril de 2009 quando estava grávida de seis meses. "Eu ouvi um funcionário do Carrefour dizer que eu não estou apta a trabalhar porque estou grávida," Sheng disse a China Daily via telefone. Em seguida, o diretor me demitiu sem mais cerimônia. “Se você quiser ficar, tem que fazer um aborto”.
Sheng também disse que o departamento de venda de produtos químicos diários tem cerca de 60 trabalhadores e apenas três ou quatro deles tinham assinado contratos com Carrefour; todos os outros eram informais.
O Carrefour obriga os funcionários a levar carga de mercadorias e fazer limpeza, sem remuneração. Se o trabalhador se recusa, a empresa, que tem poder sobre a fornecedora, a obriga a demitir o funcionário rebelde.
Carrefour de Pequim se recusou a responder a reportagem por estas acusações, e não deu retorno aos investigadores do China Daily.
A assistência jurídica de Pequim /Zhicheng descobriu que o caso da Sheng não foi um caso isolado, mas esta forma de superexploração é uma regra permanente do supermercado. Além disso, não pagam seguro nem horas extras. Um advogado disse que se trata de uma forma de trabalho semiescravo, disfarçado a través das fornecedoras, que, em realidade, dependem do Carrefour. Se elas não permitissem que seus funcionários fizessem trabalho escravo para o hipermercado, este deixaria de comprar de elas, e as condenaria a falência.
Sheng, por exemplo, estava promovendo no Carrefour mercadorias dos fornecedores, mas ela foi utilizada para vender esses produtos ao Carrefour. O trabalho que Sheng foi obrigada a fazer, como limpeza, carga e descarga, não era sua obrigação como trabalhadora do fornecedor, mas FOI EXIGIDO PELO CARREFOUR PARA POUPAR SALÁRIO DE CARREGADORES E FAXINEIROS..
Além disso, os vigilantes do Carrefour policiam as trabalhadoras e impedem descansar mesmo às que estão grávidas. Veja detalhes em:
http://www.Chinadaily.com.cn/bizchina/2009-12/30/content_9246785.htm
Denúncias de Maio de 2010

Entre Fevereiro e Abril de 2010, a organização de Observação do Trabalho na China (CLW) investigou quatro fornecedores de Carrefour:

(1) Dongguan Lanyu & Toy Company, (2) Kiddieland Toys, (3) Shenzhen Nanling Toys e (4) fábrica de Xinlong.

Muitos funcionários destes fabricantes não foram contratados (uma violação do direito de contratos de trabalho de 2008 da China) e a jornada de trabalho é de 11 a 12 horas.

Os funcionários estavam alojados em cubículos superlotados, e submetidos a condições de semiescravidão que lhes impedia se demitir.

A fornecedora Dongguan Lanyu & Toy Company, Ltd. (como as outras) trabalha em cumplicidade com Carrefour, que é conivente na manutenção de péssimas condições trabalhistas, para conseguir preços mais baratos.

Abusos graves encontrados:

1) Não se pagam horas extras.

2) Só permite aos trabalhadores DOIS dias de descanso por mês

3) Carga de trabalho de 11 a 12 horas por dia.

4) Às vezes, trabalho noturno não remunerado.

5) Quartos infetados de insetos e roedores.

6) Falta de seguro social.

7) Exposição dos empregados a vapores tóxicos.

8) Funcionários que não completam 3 meses de trabalho NÃO RECEBEM NADA PELOS DIAS JÁ TRABALHADOS.

9) Os trabalhadores não podem demitir-se até que seu contrato expira. São praticamente escravos.

Situações iguais ou piores acontecem com todas as fornecedoras de Carrefour

http://www.chinalaborwatch.org/articles/2010_05_20/index.php

O Caso da Indonésia
O Carrefour de Ratu Plaza Outlet, Jakarta do Sul, é famoso pela falta absoluta de condições de segurança do trabalho de seus funcionários, o que tem produzido numerosos acidentes com mais de 200 feridos. Isso tem mobilizado os sindicatos progressistas para exigir condições humanas de trabalho. Aqui está o quadro desses acidentes desde 2002..

Cinco Acidentes no mesmo Carrefour


Datas
Vítimas

Novembro 2002
45

Dezembro 2002
20

Maio 2007
119

Dezembro 2007
19

Maio 2008
27


Veja o relatório completo

www.amrc.org.hk/alu_special/ohs/osh_in_indonesia_accidents_at_carrefour_and_how_unions_deal_with_osh



Os Casos Europeus
A Confederação Sindical de Comissões Operárias da Europa denunciou na reunião de Bélgica de 2007, as péssimas condições de trabalho no Carrefour da Espanha. O representante desse país disse que as políticas “sociais” e de “inclusão” propagandeadas pela rede são puro marketing para descontar impostos e fazer fama de “boazinha”, mas que na prática é tudo mentira.

No meio de um extenso bla-bla-bla do Diretor de Recursos Humanos do Grupo Carrefour, o representante da confederação pediu a palavra para refutar aquele representante dos empresários. Manifestou que não havia responsabilidade social nenhuma na empresa, nem respeito pela liberdade sindical, citando a política antisindical que Carrefour mantém tradicionalmente contra os sindicatos democráticos espanhóis, contra a Confederação, e AFIRMOU QUE ESSA ERA UMA POLÍTICA INTERNACIONAL DA EMPRESA. Como exemplo, citou a sangrenta repressão policial no Brasil alentada pelo Carrefour como método de intimidação (referindo-se ao caso de Osasco relatado acima.) Vide.

Em 23 de Fevereiro de 2010, o Carrefour de Bélgica anunciou 1687 demissões e o encerramento de 21 lojas. Menos de 12 meses antes, eles estavam planejando abrir uma mega loja perto de Bruges. Carrefour Bélgica fez 381 milhões de euros em lucros em 2009, mas pagaram impostos de € 33,225, que é uma taxa de 0,008%.

Carrefour Bélgica usou como pretexto que a empresa perdeu quotas de mercado, mas esqueceu-se convenientemente de mencionar que eles fizeram ainda um lucro em 2008 de 66 milhões de euros.

No dia 24 de Fevereiro, os trabalhadores em muitos shoppings pertencentes a Carrefour decidiram não abrir as portas. Esta ação direta e espontânea dos trabalhadores foi consequência da indignação que existe entre os funcionários, mas na verdade indica a todos os trabalhadores a maneira de evitar essas demissões maciças. Veja mais informações.

Na França, em fevereiro de 2008, o setor do Grande Litoral do Carrefour teve uma greve de 11 dias, a maior numa empresa deste tipo durante esse ano, por causa dos baixos salários, que às vezes não atingem os 800 Euros, e as condições precárias dos contratos. (Vide)



*Carlos Alberto Lungarzo é graduado em matemática e doutor em filosofia. É professor aposentado e escritor, autor do livro “Os Cenários Invisíveis do Caso Battisti”. Para fazer o download de um resumo do livro clique aqui. Ex-exilado político, residente atualmente em São Paulo, é membro da Anistia Internacional (registro: 2152711) e colaborador do blog “Quem tem medo do Lula?”.

3 comentários:

Paulo Athayde disse...

Olá!

Gostei muito do artigo. Tomei a liberdade de transcrevê-lo, em parte, em um dos meus blogs, pois, como em outros casos de denúncias de abusos na exploração do trabalho por empresas “idôneas” como a Apple e Microssoft, acho importante contribuir para divulgar a real imagem dessas que se dizem modernas e política e ambientalmente corretas.
Se faz alguma objeção ou se tem alguma correção a fazer ou sugerir, estou pronto a acatar o que decidir ou determinar.

O link para o artigo: http://colunadleitor.blogspot.com/2010/08/carrefour-denuncias-internacionais.html

Um grande abraço

Ana Helena Tavares disse...

Valeu, Paulo! Essas denúncias têm mesmo que ser difundidas!

Daniel Rodrigues disse...

Olha, amigo, eu fui funcionário e sinceramente passei muitas humilhações. atingido por lama de esgoto, debochado, oprimido por gerente fanático e radical, ameaçado, torturado psicologicamente e resolvendo problemas fora do meu mister. Então é uma avalanche de impiedade e desamor ao próximo. Ser Humano merece valorização e essa empresa grande deveria fazer o máximo para valorizar o que ela denomina de "colaboradores".

Postar um comentário

Este blog não está subordinado a nenhum partido. Lula, como todo ser humano, não é infalível. Quem gosta dele (assim como de qualquer pessoa), tem o dever de elogiá-lo sem nunca deixar de criticá-lo. ---------------------------------------------------------------------------------------------------- Todas as opiniões expressas aqui, em conteúdo assinado por mim ou pelos colaboradores, são de inteira responsabilidade de cada um. ----------------------------------------------------------------
Comentários são extremamente bem-vindos, inclusive e principalmente, as críticas construtivas (devidamente assinadas): as de quem sabe que é possível e bem mais eficaz criticar sem baixo calão. ----------------------------------------------------------------------------------------------
Na parte "comentar como", se você não é registrado no google nem em outro sistema, clique na opção "Nome/URL" e digite seu nome (em URL, você pode digitar seu site, se o tiver, para que clicando em seu nome as pessoas sejam direcionadas para lá, mas não é obrigatório, você pode deixar a parte URL em branco e apenas digitar seu nome).-----------------------------------------
PROCURO NÃO CENSURAR NADA, MAS, POR FAVOR, PROCUREM NÃO DEIXAR COMENTÁRIOS ANÔNIMOS. NÃO PODEMOS NOS RESPONSABILIZAR PELO QUE É DITO NESSES COMENTÁRIOS.

Att,
Ana Helena Tavares - editora-chefe

Creative Commons License
Cite a fonte. Todo o nosso conteúdo próprio está sob a Licença Creative Commons.

Arquivo do blog

Contato

Sugestões podem ser enviadas para: quemtemmedodolula@hotmail.com
diHITT - Notícias Paperblog :Os melhores artigos dos blogs